segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Deu Dolly no cartão

A minha fisionomia séria
esconde uma revolta de nome
desconhecido. Pois, clonaram
meu cartão de crédito.

Eu não faço compras pra não exceder o limite
e alguém compra com os meus parcos recursos.

Deu Dolly na operadora de cartão, só pode.

domingo, 29 de agosto de 2010

Dizendo nada

Uma pessoa
passa em uma rua
escura.

Nem de noite e nem de dia
nesses momentos
do sei lá.

A pessoa estava ali
apenas de passagem
e passou.

Como passam
esses momentos do seu
dia gastos com bobagens.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

samba que fala não encanta

O samba falou que serei processada.
O samba falou que eu sou de nada.
Mas, ele não sabe que:
sou cria do morro,
flor do deserto,
estrada sem fim.

Esse samba enganado
que tome cuidado
pra não se engasgar.

Sou espinha de peixe,
espeto de ferro,
ouriço do mar.

O samba falou que serei processada.
O samba falou nas várias toadas
e tocando nos coros
o samba dos louros
quer me assustar.

Mas eu sou do coreto
meu samba é do gueto
e eu quero é sambar.

Esse samba tão velho
de refrão conhecido
falou pra dançar.

Eu no miúdo
me faço no surdo
não vou esquentar.


Esse samba enganado
que tome cuidado 
pra não se engasgar

sou espinha de peixe
espeto de ferro
ouriço do mar.


Afinal o samba falou que serei processada.
Se o samba é quem sabe
só sei que sei nada.

O samba falou...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Pessoas e coisas

I

Há coisas que passam;
Há coisas.
Há?!...

Há pessoas que passam.
Há pessoas, que coisa!
Há pessoas que são como coisas.
Há pessoas com coisas.
Há pessoas... há coisas.

Hei coisinha, que coisa?!...

II

Que pessoa que há?
Que coisa que há em cada pessoa?
Que coisa é essa que não passa?
Que pessoa é essa?

O que há, pessoa?